As mulheres da minha vida consumiram-me até ao último folêgo, à ultima esperança, ao último sonho... Tiraram-me as lágrimas, as alegrias e o pôr-do-sol. Terminei sem nada... Com as mãos vazias percorro a estrada, em que desconheço o fim, se é que já não chegou...