Morta anunciada

E cada vez
Que morrias na rocha,
Ou vinhas calma,
Ou desesperada.
Era a brisa marítima
Que te auxiliava
No suicídio.
Ansiavas pelo teu fim,
Como quem misericórdia pedia.
Beijavas-me os pés
Com o teu sal
Puro e cristalino.
Detrás de ti
Trazias mais sonhos
E esperanças.
Todas elas desapareceram
Quando chegaram à pedra rochosa…
Porquê?
Percorrer distâncias,
Ser grande,
Encantar e
Depois morrer,
Previsivelmente,
À beira mar?